Olhares

Biografia

O Sesc Centro João Pessoa vem apresentando há vários anos, através do Setor de Cultura, a exposição Olhares, que reúne obras de seus alunos dos cursos de artes visuais. A Exposição Olhares 2021 traz 27 obras, desde alunos iniciantes aos mais experientes. Os estilos vão da pintura ao desenho, da reprodução de obras conhecidas à criação de um trabalho pessoal, sempre com um toque criativo.

A tela, ou a folha de papel, e seu espaço bidimensional, é o suporte dos trabalhos que, muitas vezes, com o auxílio da perspectiva, lançam a ilusão de um objeto tridimensional. Isto, ao lado de trabalhos que fixam-se no território plano da tela ou do papel e exploram suas superfícies lisas com maestria.

Esta é uma exposição sem pretensões de verdade nem de exatidão, mesmo porque, como bem disse Matisse, “exatidão não é verdade”, em especial em arte, que é o que nos interessa aqui. Mas é uma exposição em que alunos encontram no pincel, nas tintas, no grafite, na tela e no papel, expressão de seus dons artísticos e onde as expressões terapêuticas também encontram aconchego, é claro. É comum perceber na fala dos alunos como estas duas funções vêm associadas quando se manifestam sobre as atividades que exercem no Setor de Cultura do Sesc Paraíba. O clima das aulas é de trocas de informações, experiências e resultados obtidos com os trabalhos. A amizade é um fator que anima os alunos, em especial na hora do cafezinho.

Alunos com parcos conhecimentos em pintura são agrupados em turmas afins enquanto alunos experientes vão para turmas avançadas. Assim, a didática diferenciada permite que se desenvolvam igualmente. Ao final, os resultados são surpreendentes para o primeiro grupo, e extraordinários, para o segundo.

Olhares 2021, pela sua amplitude estética e social, comprova o que certa feita afirmou Picasso: “A Arte não é a verdade. A Arte é uma mentira que nos ensina a compreender a verdade”. Alunos que aqui expõem entendem que seu trabalho ajuda a entender quem são, a sua verdade, e em que circunstância estão envolvidos. A realidade de um mundo em pandemia, de um mundo que busca novos valores sócio-histórico-políticos está presente em cada pincelada, em cada flash de luz ou mancha de sombra, em cada volume que se avulta ou se rebaixa, etc., pois a pintura é a dor, o saber, o inconsciente, a busca, o deleite de cada um, para todos.

Boa visita, virtual e/ou presencial, a todos, todas e todes*.

 

Amador Ribeiro Neto

 

* TODES: Nova forma neutra de gênero gramatical, sem definição de gênero (masculino e feminino).

O Sesc utiliza cookies e outras tecnologias para aprimorar sua navegação e experiência em nosso site, de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.