Nutrição como aliada ao combate do cansaço físico e mental

A pandemia da Covid-19 vem ocasionando maior exaustão e sensação de cansaço, porém, a  saúde física e mental está relacionada com diversos fatores, como o excesso de trabalho, estresse constante, sono não reparador, doenças (anemia, distúrbios da tireoide, depressão) e até mesmo com a má alimentação.  

Quando se tem a sensação de que a energia do corpo não dura até o final do dia ou o sono não é revigorante, e você acorda sentindo que essa energia não foi recarregada, é hora de rever seus hábitos. Contudo, é importante consultar um profissional de saúde para identificar se existe algum problema subjacente e iniciar o tratamento adequado.

Junto com outros fatores, a alimentação possui papel primordial para conservar nosso nível de energia elevado, por isso, o setor de Nutrição do Sesc Paraíba separou receitas de alguns sucos que podem ajudar a recarregar as energias.

Suco de uva com maçã e beterraba

Rico em vitaminas capaz de espantar o cansaço e turbinar a energia, uma verdadeira bebida energética. A beterraba apresenta vitaminas do complexo B, as quais auxiliam na produção de energia pelo corpo e é fonte de beta alanina, que estimula a memória e a concentração. 

Devido a presença de potássio, há maior controle do sódio, melhorando a retenção hídrica. Além disso, contém nitrato, que aumenta a dilatação dos vasos, favorecendo o transporte de oxigênio e de nutrientes, processo que é reforçado pela Vitamina K presente na uva.

Ingredientes: 

  • 12 Uvas roxas ou 180ml de suco de uva integral sem açúcar;
  • 1/4 beterraba crua pequena;
  • 1 maçã pequena;
  • Suco de 1 limão;
  • 120ml de água ou a gosto.

Bata tudo no liquidificador e beba. Se necessário, adoce com uma pequena colher de mel ou adoçante natural. 

Suco de abacaxi, limão com couve e espinafre

Ajuda a manter uma boa disposição, sendo um aliado perfeito para quem passa o dia se revezando entre muitas tarefas. Consumidos de diversas maneiras no cardápio, os folhosos têm micronutrientes que contribuem para a produção de energia e participam de várias reações metabólicas no corpo. Além disso, o espinafre e a couve apresentam bons níveis de ferro e, por isso, podem ser usados por pessoas em tratamento para anemia.

Apresenta, ainda, abacaxi e limão, duas importantíssimas fontes de vitamina C, que atuam na síntese de carnitina, utilizada para produção de ATP, a qual funciona como fonte de energia celular.

Ingredientes:

  • 2 rodelas de abacaxi;
  • Suco de 1 limão;
  • 1 folha de couve;
  • 5 folhas de espinafre;
  • 120 ml de água.

Bata tudo no liquidificador e beba. Se necessário, adoce com uma pequena colher de mel ou adoçante natural. 

Suchá: Abacaxi com acerola e ginseng

O  Panax Ginseng é um excelente estimulante da síntese de proteínas e, por isso, melhora o funcionamento do cérebro e reduz o cansaço mental, sendo restaurador na capacidade física e cognitiva, em casos de exaustão, cansaço e perda de concentração. 

O chá de ginseng é perfeito para quem apresenta quadros de estresse, no entanto, não deve ser ingerido por grávidas, crianças menores de 12 anos ou por quem está em tratamento para depressão, doenças cardíacas ou asma. 

A combinação desses ingredientes age como um ergogênico, ou seja, promove mais energia e melhora a performance nas atividades ocupacionais.

Ingredientes:

  • 1 xícara de chá de ginseng ou 1 colher de chá de ginseng em pó;
  • 1 rodela de abacaxi;
  • 1 limão;
  • 10 acerolas ou 1 polpa de acerola sem conservante;
  • 50 ml ou 180 ml de água;

Se for utilizar o chá do ginseng, primeiro preparar a infusão:

  • 1 colher (de sobremesa) de raiz seca de ginseng;
  • 1 xícara de água fervente.

Coloque a raiz de ginseng em uma xícara com água fervendo e deixe repousar por 5 minutos. Depois, coe e espere esfriar para usar no preparo do Suchá. 

Caso opte pelo ginseng em pó, adicione junto com os ingredientes ao liquidificador e bata. Beba em seguida. Se necessário, adoce com uma pequena colher de mel ou adoçante natural.

Cuidados importantes

Cuidado! É importante estar sempre atento aos “ladrões de energia”, como o excesso de cafeína, sal e açúcar; alimentos industrializados, processados e carboidratos refinados. As dietas monótonas e restritivas também corroboram com a sensação de fadiga, bem como a ingestão reduzida de água.

Referências:

DIAS, B.M.M. Fitoterapia no cansaço, demência e perda de memória. Universidade D Coimbra. 2019. Disponível em: https://eg.uc.pt/bitstream/10316/88363/1/Tese%20Final%20Bruna%20Dias.pdf

PENNA, E. M. Efeito da fadiga mental, da estimulação cerebral e da associação de ambos no desempenho físico e em variáveis psicofisiológicas durante atividades aeróbias prolongadas. Universidade Federal de Minas Gerais. 2019. Disponível em:

https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/30476/1/Eduardo%20Macedo%20Penna_final.pdf