Fala, Nutri: Principais diferenças entre os tipos de açúcar

O açúcar é um alimento facilmente encontrado na despensa da maioria das pessoas, além de ser um componente frequentemente utilizado pela indústria alimentícia como matéria-prima básica para a produção de diversos produtos. Para fazermos escolhas mais adequadas, evitando o consumo de apenas “calorias-vazias” é importante entender as principais diferenças entre os tipos de açúcares disponíveis no mercado.

Para isso, é preciso conhecer sobre o processamento do açúcar na indústria, porque, dependendo do tipo de açúcar, alguns micronutrientes podem ser preservados ou retirados. A nutricionista do Sesc, Karla Albuquerque, fez um texto completo explicando tudo que você precisa saber sobre os açúcares.

AÇÚCAR MASCAVO

É um dos açúcares mais saudáveis e puros, obtido do cozimento do suco da cana de açúcar. A água vai evaporando e o açúcar se concentrando, e obtém-se o primeiro produto, que é o melado de cana. Depois de cozinhar o melado por mais tempo, o resultado é o açúcar mascavo, preservando seus valores nutricionais, como a presença de cálcio e potássio. Apresenta cor caramelo e sabor semelhante a rapadura, o que não agrada a todos os paladares.

AÇÚCAR DEMERARA

Ao dar continuidade ao processo de cozimento do melado e da produção do açúcar mascavo, teremos o açúcar demerara. Possui coloração mais clara e permanece com a vantagem de não sofrer adição de aditivos químicos, preservando, ainda, alguns sais minerais.

AÇÚCAR CRISTAL

Apresenta coloração esbranquiçada, cristais grandes e transparentes. Para sua produção, o caldo de cana passa por diversos processos, que o levam a perder cerca de 90% dos sais minerais.

AÇÚCAR REFINADO

Obtido a partir do açúcar cristal, passa por soluções químicas, como o enxofre, para torná-lo branco e mais uniforme. Todo esse processo retira os nutrientes, tornando um alimento pobre nutricionalmente, restando apenas sacarose.  

AÇÚCAR “LIGHT”

É uma mistura de açúcar refinado com adição de adoçantes artificiais, como ciclamato, sacarina e aspartame. Devido a isso, adoça mais que os demais açúcares e é menos calórico, mas pobre nutricionalmente.

AÇÚCAR DE COCO         

Vem ganhando fama nos últimos tempos e é produzido a partir da seiva do coqueiro, que é filtrada e aquecida até que a água evapore, tendo como resultado final um produto granulado e marrom, o açúcar de coco. Apresenta baixo índice glicêmico*, o que evita picos de insulina. É um produto minimamente processado, portanto, os nutrientes são preservados, não contendo conservantes e possui um bom poder de adoçar sem deixar sabor residual. O único impeditivo de seu consumo, muitas vezes, ainda é o preço elevado.

Diante dessas descrições, a melhor opção é apreciar o sabor natural dos alimentos, adaptar o paladar e utilizar o mínimo possível ou nada de açúcar. Contudo, dentre os tipos de açúcar apresentados, eu, particularmente, em meus atendimentos como nutricionista, para os clientes mais resistentes ao não-consumo do açúcar, oriento o uso do açúcar mascavo ou mel. Como o açúcar de coco é caro, se o paciente deseja utilizar, sugiro usar o de coco em bebidas e o mascavo em receitas. No entanto, sempre recomendo a redução da adição do açúcar em bebidas e preparações, de forma gradual até a retirada.

Para as pessoas que consomem o açúcar refinado, que é a vivência mais comum, oriento a substituição pelo demerara por um período, em seguida a troca pelo mascavo, com a mesma quantidade até “ensinar” o paladar com uma graduação de doce menor e, posteriormente, diminuir a adição do açúcar até retirada total. 

Independentemente do tipo de açúcar que você escolher consumir, lembre-se de utilizá-lo com moderação, pois o excesso pode prejudicar muito sua saúde e causar doenças. Parte da população possui limitações relacionadas ao consumo de açúcar, devido problemas de saúde ou alimentação com redução do valor energético diário. Porém, para adentrarmos nesse assunto precisamos conversar sobre a substituição do açúcar por adoçante (natural ou artificial), e esse é um tema para outra postagem, pois são diversos tipos de adoçantes a serem apresentados e muitos pontos que precisam ser esclarecidos.

*O índice glicêmico é a velocidade em que o carboidrato é digerido e transformado em açúcar no sangue.

Karla Albuquerque

Nutricionista Sesc PB